quarta-feira, 18 de agosto de 2010

arte poética


consultei
dicionários e enciclopédias
gramáticas
tradicionais e generativas
passando pelas de texto
vasculhei
o google e a wikipédia
para poder escrever
à margem de qualquer
originalidade
a minha arte poética
defectiva:

escrevo porque morro.

3 comentários:

Leonardo B. disse...

[... por todo um dia, que se renasce no momento seguinte: esse sempre o verso final, todo o verso que se inicia porque tem que acontecer]

um imenso abraço, ângela

Leonardo B.

Susn F. disse...

Fica o eco do último verso.

beijinhos, ângela

Me Hate disse...

Na escrrita, tanto podemos morrer como renascer... parece não haver meio termo... mas que bom a dicotomia da bipolaridade!

:)

visitantes da babel