sábado, 17 de julho de 2010

deste lado do azul




Deste lado do azul
Escrevo devagar com as
Migalhas que apanhei
Pelo caminho. porque
São migalhas e não pólenes
São lágrymas perdidas (em homenagem)
Ao vento do norte
Aquele muito frio
Que se chama nortada.
São grãos de areia
Atirados ao acaso
Do café na esplanada
Onde bebi um sumo
Enquanto esperava
Que me servissem o café.
Por isso escrevo devagar
Deste lado do azul
À procura do caminho
De volta para o verbo
Que seja substantivo.
Apenas isso.

3 comentários:

AC disse...

"Por isso escrevo devagar
Deste lado do azul
À procura do caminho
De volta para o verbo
Que seja substantivo.
Apenas isso."

Adivinha-se a vontade de outro respirar. O que não é pouco, convenhamos.

Bom fim-de-semana.

maria manuel disse...

todo o caminho tem um tempo.
devagar, uma lágrima, algumas palavras, um nome: azul, um incío de caminho

beijo, Ângela

gabyshiffer disse...

Olá,
Lindo poema, linda foto...
Vim conhecer o seu blog e adorei tudo
e eu já estou por aqui te seguindo
Q vc tenha uma linda Quarta
Voltarei sempre
Beijos na alma!

visitantes da babel