terça-feira, 11 de agosto de 2009

sorriso

Île Rousse, Corse, 1981
com a materna/idade
com as brancas com as rugas
com as mortes com as feridas
ganhei um sorriso maduro.
agora
apenas procuro a cor da pele
e o corpo das palavras.

12 comentários:

bettips disse...

Lindo, linda.
E as rochas, esse olhar o mar. Ainda e com brancas/maternas/rugas: fomos belas, somos pedras feitas desse bater de água.
Bj

Ana Paula disse...

Parabéns pelo olhar de outrora, mas também pelo sorriso maduro. Por certo, é igualmente belo :)

José Carlos Brandão disse...

Linda mesmo.
Com a sensibilidade à flor da pele, no corpo das palavras. O sorriso maduro, mas não desencantado: diante da beleza da vida, de que a dor e o efêmero fazem parte, e que as palavras buscam recuperar.
Por isso escrevemos, para não morrer. Ainda queremos dar uma forma à beleza, prova de que a sentimos. De que estamos vivos.
Um beijo.

isabel mendes ferreira disse...

e a idade é o rumor da vida que foi.


e que nos ofereces. como símbolo de ser-se "outra e crescente".


beijo A.
terno.

maria josé quintela disse...

tenho pena de não ter sido eu a escrever esse sorriso maduro!



bom dia ângela. já tarde.


um beijo.

isabel mendes ferreira disse...

sim . paz.

é de que todos precisamos. e de sorrir. e de acreditar que este país vai ser melhor...carago...temos aí eleições à porta.

beijo.te. A.

antonior disse...

O tempo, em cada momento o tempo. As feridas que povoam o tempo e o ardor do sal que nelas habita leva-nos a uma busca insana. O resto, esse pó branco do tempo e do espaço que cruzamos, oferece-nos o abandono...

isabel mendes ferreira disse...

e eu vim re.procurar o teu sorriso.


encontrei e levo.


bom dia A. abraço......TE.

alice disse...

bonita fotografia, ângela :) não mudaste quase nada... beijinhos*

Anónimo disse...

Olhar a vida com o corpo.


Tempos idos. O tempo não volta atrás.



Beijo


Ernesto P.

ângela marques disse...

pois caro ernesto que infelizmente não é o de Oscar Wilde: você não sabe nada da vida, porque ainda bem que o tempo não volta atrás. o tempo presente é muito mais espesso e saboroso: tal como o vinho do porto: melhora com a idade.

não costumo dar beijos a desconhecidos.

passe bem e cresça, pf.

Anónimo disse...

:)))))







to be ernest....é para poucos....


bjjo.

visitantes da babel