sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

ofícios



o ofício de 
polir palavras
não é tarefa de deuses.
é sabedoria
de camponeses.


varrer a soleira da porta
é a forma mais
sublime da poesia que
escolhi escrevinhar.
me.

1 comentário:

José Carlos Brandão disse...

Gostei desse. Polir palavras é sabedoria de camponeses. Em 83 publiquei em meu segundo livro o poema Lavradores - o meu pai, nobre, alto, que lavrava a terra, e eu, pobre lavrador do poema.
Um beijo.

visitantes da babel