quarta-feira, 17 de março de 2010

assim

Tom Cubbage

há  dias assim
que não amanhecem 
à nossa medida
a roupa aperta-nos
como um colete de forças
o coração explode
e o que nos rodeia
está a milhas de distância
da alma que temos

há dias assim
adversários
de quem somos
em liberdade escandalosa...

em dias assim
vira as costas ao tempo
despe-te dos farrapos 
e das boas maneiras
estende-te na areia
, bem junto ao mar,
e deixa que seja o sol
a lamber-te as lágrimas.

todos temos direito
a um corpo inteiro
até ao último
dos nossos dias.





3 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Como vai, Ângela?
Gostei deste poema - reinvidica a vida. A começar pelo corpo, mas a vida.
E que bela foto!
Beijo.
JC

Susn F. disse...

Há dias em que somo só um pedacinho de nós.

Adorei.

beijinhos â.

ângela f. marques disse...

Oi José Carlos!

Saudades suas e falta de tempo de ler blogues.
Obrigada pela visita. Um dia passo aí:)

beijo

visitantes da babel