segunda-feira, 28 de setembro de 2009

apenas


(em memória de Jorge Vasques)


Foi apenas um homem que morreu. Apenas um actor, apenas um pai, apenas um irmão, apenas um amigo...
De resto, os rios continuam a correr em direcção ao mar
O dia e a noite continuam a alternar segundo o ritmo previsto
Os cafés abriram à mesma hora
Os transportes atrasaram-se tal como de costume
As conversas da manhã versaram os temas da actualidade
Isto é, a vida continua...
Mas eu estou parada, o meu olhar paira no vazio
Ainda não ouvi a minha voz
Respirar é uma tarefa árdua
E nada do que tenho para fazer
Me parece essencial, nem tão pouco inevitável

Encontro-me
No relógio sem horas
Que guardo religiosamente
Desde a morte dos meus pais.

1 comentário:

Susn F. disse...

Uma lindíssima homenagem ângela.

beijinhos

visitantes da babel