quinta-feira, 9 de setembro de 2010

crepúsculo




Aproximam-se os dias do silêncio
Pé ante pé
Numa folha que cai desprevenida
Numa gota de chuva que desliza no ombro.
A fadiga abateu-se sobre
O chão da cidade e as pessoas
Cederam à fúria do verbo:
Por isso a cortina se levanta
E não há actores em palco.
Na plateia os espectadores
Escutam o batimento
Do coração da terra.

1 comentário:

maria josé quintela disse...

espectadores de nós próprios.

e


expectantes.





bom dia Ângela.

visitantes da babel