sexta-feira, 13 de novembro de 2009

corpo



quando o corpo
anuncia fissuras
nos ossos ervas nos pulmões
ácido no sangue
quando as mãos
mal seguram as penas
ou as foices e escorregam
na borda da mesa
quando as palavras
caem incontinentes
pelas pernas

o poema torna-se desmesurado

e explode em lava

pelos olhos



5 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Muito bom, Ângela.

Senti-me repleto, extravasando.

Felicidade inaudita inundou-me.

Um poema feliz dá essa sensação

de felicidade.

Beijo.

isabel mendes ferreira disse...

...pelos olhos cansados de ver mas nunca de ler.

ler.te.

acima dos ramos da vida.

.

lá.onde a claridade pode ser apenas feita de palavras ascendentes.

.

beijo .

A.

Isabel disse...

"Quando a casa acordar vazia, tu não vais saber. Mas haverá um Príncipe que vai cuidá-la, afagar-lhe os teus cantos, regar os teus jasmins e conversar com eles. Vai alimentar-se dos assobios que pairam ainda no ar, vai encostar a cabeça no sofá e afagar os caracóis, como se a mão fosse tua. Porque ele é o resto de ti que não adormece nunca e porque ele não sabe viver fora de ti. Ele é o fruto e a raíz. Ele és tu. Ele é o pão e o vinho. O piano. As telas. O teu texto matricial.

Mas será amanhã. Só amanhã."


vê o que encontrei__________.


texto tão belo.

isabel mendes ferreira disse...

e






bom dia.



ramo.

Isabel disse...

as melhoras.....:)



com beijo do YouTube.

visitantes da babel