terça-feira, 1 de dezembro de 2009

ma langue


Fotografia de Andre Kertesz, 1933

est-ce toi ma langue
maternelle
qui lèche mon sexe
haletant d'humidité
lointaine
issue de la terre
et du ciel
de la parole première
des enfants affamés
des handicapés de guerre
des juifs à Auschwitz?
toi, ma langue
maternelle
qui éclates comme une bombe
sous mes pieds nus
et me jettes étincelle
contre um mur
érigé en phallus
dominant.

Toi, ma langue, ô femme!

______________________


6 comentários:

José Carlos Brandão disse...

A língua como mulher - lindo, e forte.

Beijo.

Isabel disse...

diria a língua com dentes andantes e pé nus sobre a essência da vida que enche o cabeçalho e tudo re.transforma.


a linguagem é sempre multidireccional.


dizer em francês ou em árabe ou aramaico a língua do dizer. como quem incendeia ou "alumia".


gosto. muito.


espécie de roseiral.

ângela marques disse...

tenho que abrir uma excepção na vontade de não falar a língua de comunicar, para agradecer a leitura tão certeira da ISABEL.

OBRIGADA.

Isabel disse...

eu é que agradeço. a excepção....:)))))


legente do "ar". que é tempo.

Graça disse...

Ler-te em francês é assim como a cereja em cima do bolo. Adorei.

Bom fim de semana, Ângela, e um beijo de carinho.

Isabel disse...

e voilá_______________bo fim de semana. sem chuva nem frio.

:) impossível eu sei.....mas sempre se pode inventar.....:)


BOM DIA!

visitantes da babel