quinta-feira, 14 de maio de 2009

paisagens vazias






Lavadores, Maio, 2009
é em tardes assim
que eu morro
tranquila
enrodilhada nos sonhos
de accordéon
soluçando ao sabor
do saxofone
porque as pessoas estão longe
porque o silêncio me invade
e a solidão
se reveste de granito
morro assim
em tardes tranquilas
ângela marques, in Confissões Dispersas, Editorial 100, 2004

11 comentários:

maria josé quintela disse...

também me morro aqui. por dentro das paisagens tão cheias de silêncio.






um beijo Ângela.

José Carlos Brandão disse...

Agora,
venta lá fora,
assobia, uiva,
insistentemente,
e se ouvem grandes panos batendo, batendo,
no ar da tarde deserta.
É como se lá fora
fosse um grande deserto,
só falta a areia,
as dunas se erguendo,
as miragens indicando coisa nenhuma.
Etc, etc., que o vento - é real
o vento!, e o vazio do vento! -
e as suas palavras, as uas imagens
acendem em mim.

Um abraço amigo, Ângela.

PreDatado disse...

O poema, as fotos, a musica... tranquilo, muito tranquilo.

alice disse...

e é em manhãs assim que eu gosto destas paisagens e de palavras como estas. fico a ouvir a música, tão bonita... beijinho, ângela.

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema cara amiga.
Também gostei muito das fotos.
Bom fim de semana, beijo.

isabel mendes ferreira disse...

igualo-me.



des.tranquilamente.





invasão de um granito a explodir.


um beijo.


.

isabel mendes ferreira disse...

"Para ti e por ti falo de mim, falando de tudo e de nada, da chuva ou da praia, da planície que sonho ou então dos rochedos cobertos de musgo. E da água. Sobretudo da água do pão da fome da terra da guerra do mar da gaivota que gira da volta do ar da gente da vela do verso do lar da criança que joga do barco da viola do verbo nadar do vento do rio do riso do siso do sino a tocar do fundo do fio da memória solar da oração da igreja do livro escolar da corda da bata do quarto andar da lágrima que vi do homem chorar da voz da luz da matéria lunar do cheiro da carne da pele a suar do grito do parto..."

este texto é de alguém que muito prezo e que acho fica muito bem aqui___________

dirás que não entendes esta "inserção" :) mas olha que sim....cabe no teu cais.


boa noite A.



obrigada.

Tchi disse...

Morrer nas horas de existir.

Morro-me, e tantas vezes assim.

Mas antes ainda hei-de ler as tuas "Confissões Dispersas", que ignorantemente não tinha percebido que existiam de há cinco anos a esta parte, pelo menos.


Abraço perto.

ângela marques disse...

Isabel,

só te esqueceste de dizer que o texto foi escrito para TI:)

assim sim!

beijo de fim de semana
(encoberto)

Anónimo disse...

ohhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh.....





olá.



:)))


beijoooooooooooooooo...



com sol.....agora....aqui....lx.




imf.

gabriela rocha martins disse...

ainda bem que me perco para re encontrar.me em TEXTO

a poesia fica conTIgo

eu parto


.
um beijo
( com imenso sol ,a sul )

visitantes da babel