quarta-feira, 18 de março de 2009

post- scriptum


Egon Schiele, 1890 - 1918




A janela rasga a paisagem de lés a lés. Passseio os olhos num horizonte perdido até encontrar o sabor da água que envolvia o teu corpo.
Não. Enganei-me.
Não é por aí que devo ir, que os meus olhos estão cansados.
A cegueira traiu-me os sentidos, por isso ergo as mãos para o chão, enfio os dedos na terra, indiferente ao estrume que se entranha no coração. Quero esfregar a pele nas arestas do granito para regar de sangue a tua cara de virgem. Não me venhas dizer que não são horas ainda. O relógio parou há uma eternidade sem que tenhas tido sequer a preocupação de mudar as cortinas. Por isso agora sou eu quem grita com os galos, de manhã, para te dizer basta.
É rasteira esta casa apodrecida onde me espreguiço pelas paredes sujas, planto cardos, invento rosas e bebo o leite que chupei das tuas mamas. A cadeira está no alpendre. O guarda-sol na varanda. O colchão está no sotão e a cama na cave. Mas é no fogão que o cheiro a sexo transborada das panelas, à mistura com azeite.





Ouve cá: não queimes esse corpo adelgaçado, que seria difícil encontrar outro assim.







É aqui que vou ficar até que o mijo me escorra pelas pernas, até que os dentes caiam de podres, até que o reumatismo me impeça de andar e os olhos se fechem de vez. Tu assistirás apenas à degradação do corpo, porque aquilo que tenho para contar atingirá o gume da lucidez que vai estilhaçar até os ouvidos dos animais. Rejeito a puta de vida ligada a tubos e máquinas que a medicina nos oferece e és tu quem vai cumprir o gesto fatal, neste lugar de ninguém.
Depois , algum pescador de pérolas acenderá uma fogueira na praia e cantará até que as cinzas voem com as gaivotas rasando as ondas fuliculares.







13 comentários:

maria josé quintela disse...

fiquei sem fôlego.



e sem palavras.



volto. quando recuperar.



beijo.

GMV disse...

Forte... e belo, sobejamente belo.

Beijo, Ângela

alice disse...

deste a este texto um título que só no seu sinónimo o remeteria para nota de rodapé ou acréscimo, dado que todo ele merece ser a figura principal da peça e arrumar os outros na audiência. é como se o título fosse cada um de nós, cá em baixo, erguéssemos os olhos só para te ler. é esse o poder do texto. e merece um aplauso :) um beijo especial, ângela.

observatory disse...

tas a ver?

ha coisas que sao tocadas a arco

com mel e jeito.

a esses nao lhe cairá nada:))))) serão velhos mas linderrimos.

ai ai angela

que se foda o corpo

se use até doer :))))))

observatory disse...

ps: eu la vou tendo

stockhausen numa mao

e os ramones na outra :)

isabel mendes ferreira disse...

os pescadores de pérolas raramente estilhaçam as ditas. a não ser por mero e lamentável engano...
.


este texto de "lamento" é uma pérola.

brilhante. dentro da "capa" das letras soltas que embalam a lucidez.



belo o epitáfio.


bom dia A.

ângela marques disse...

OBRIGADA, Isabel

por chamares as coisas pelos nomes:
"epitáfio"

e por falares na "capa"

porque é SÓ isso mesmo.

beijo

(agradeço as palavras de todos, claro, mas tinha que salientar estas)

Isabel disse...

:) a tua linguagem semiótica....






beijo.


.piano.

ParadoXos disse...

poderoso e exemplar, prende e nos agarra até ao fim da leitura!

se gostei?

adorei!!


um beijinho imenso

alice disse...

a palavra não é minha, mas este texto também merece uma g.a.i.t.a!

:)

boa tarde, ângelinha. biju.

maria josé quintela disse...

já li e reli. e continuo pasmada.


não sei se ponha o relógio a funcionar ou se desligue os tubos das máquinas.


se não parecesse mal plagiava a alice. assim, digo-te que gosto muito de te ler na versão mais crua.


um beijo Ângela.

isabel mendes ferreira disse...

G.A.I.T.A......:)))))))


enorme sorriso.


.


a "agarrar" o gume que pode ser o gesto salvífico.


.

gabriela rocha martins disse...

sacríloga a palavra depois da leitura
o espanto do bezerro sagrado que se espanta sob a tua pira ou que aspira as cinzas que se espslham na areia

detenho.me na palavra
e
deixo.te



.
um beijo

visitantes da babel