terça-feira, 10 de março de 2009

procuro a nudez

Foto de Fabíola Narvaéz
retirar meticulosamente
uma a uma
as camadas de pele
que deixei
colarem-se ao meu corpo...
talvez encontre
aquela única
que me é
essencial.
-------------------------------------------------------------------------------------------
"e depois de uma a uma todas serão um casulo no chão. e no dentro fica sempre o que foi."

11 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

e depois de uma a uma todas serão um casulo no chão. e no dentro fica sempre o que foi. verdade.


embora o corpo tenha sempre mil recursos e mil vozes...


mas acho que sim. depois do que não é resta o que será....

enfim...digo eu...

que sei pouco.


beijo.

ângela marques disse...

e eu nada sei, apenas sinto...

beijo.

maria josé quintela disse...

talvez



talvez



como saber?



um beijo Ângela

isabel mendes ferreira disse...

"coisas de uma imf" que diz ....assim ao cair das horas...

coisas que Tu refazes ----assim ao sabor do tempo.



:)

PiresF disse...

Depois de as deixarmos colarem-se é um problema.

Colam-se mais depressa do que se descolam, raios. O problema, depois, é encontrar a tal.
… ou será como diz a IMF?

Forte abraço, Ângela.

PS: É São Jacinto, conheces?

José Carlos Brandão disse...

retiras a pele
à procura da nudez,
o corpo essencial.

abraço.

ângela marques disse...

PiresF,

estou em crer que é como diz a IMF:)

abraço

José Carlos

"o corpo essencial" que sempre foi.

abraço

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

alice disse...

certamente encontrarás a escama essencial dentro do casulo :) um beijo, ângela. fico a ouvir a música...

Tchi disse...

No dentro fica o que mais importa.

ângela marques disse...

alice

Tchi

Obrigada. Beijos

visitantes da babel