terça-feira, 3 de março de 2009

um ano... quanto tempo?


(de Onde vais, Drama-Poesia?)

____________________________________________ agora,

os dias passam a escrever,
com o livro do mundo ao lado. Não fico só.

Entro nele. Hesito, e transponho a porta que me dá a página. Caio no poema oferecido a Dickinson. Levanto-me.
Impaciento-me
por não chegar ao mundo de hoje,

mas ainda não é tempo. Mais tarde,

à medida que eu amanhecer.

Maria Gabriela Llansol, Onde vais, Drama-Poesia?, Relógio d'Água, 2000

5 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

eu vou!


acho!


como sempre. G.L.

a DIVA!

O'Sanji disse...

E eu... com muita pena, não vou!
buááááá
Depois a Isabel conta-me! :))

Beijos

alice disse...

tenho pena de não ir... ângela, estou num computador público, sem tempo, mas li o poema, e quero ler todos os livros de llansol... um beijo e até segunda feira.

Paulo - Intemporal disse...

Gabriela Llansol, "à medida que eu amanhecer"

e fico, enquanto te sou leito onde melhoras avidamente.

e re.nasces em jardim de março.

ou flor de trigo.

E deixo-TE um beijo.

LM,paris disse...

E eu nao posso daqui que anoitecer na tristeza de a saber longiqua...
" o falcao no punho", o primeiro
livro que li dela, até ficou por cima, na tua foto...
obrigada pela lembrança, nao vamos esqueçer, prometemos.
Beijos, mil,
LM

visitantes da babel