quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Quen non xime?

Rosalía de Castro, 1837 - 1885

Luz e progreso en todas partes..., pero
as dudas nos corazós,
e bágoas que un non sabe por qué corren,
e dores que un non sabe por qué son.


Outro cantar, din, cansados
deste estribilo, os que chegando van
nunha nova fornada, e que andan cegos
buscando o que inda non hai.



Triste é o cantar que cantamos,
mais qué fazcer si outro melhor non hai?
Moita luz deslumbra os ollos,
causa inquietude o moito desear.
Cando unha peste arrebata
homes tras homes, non hai máis
que enterrar depresa os mortos,
baixala frente e esperar


que pasen as correntes apestadas...
Que pasen..., que outras virán!



4 comentários:

Nilson Barcelli disse...

"Triste é o cantar que cantamos,
mais qué fazcer si outro melhor non hai?"
Bela escolha, não conhecia nada da poetisa e gostei muito de ler.
Também agradeço a tua visita, volta mais vezes (eu farei o mesmo e vou colocar o teu link no meu blogue).
Beijo.

ângela marques disse...

Ainda bem, Nilson!
Gosto de partilhar as minhas paixões literárias:)))

Aparecerei sempre.
Beijo

Bandida disse...

que pasen...


[esperamos as outras]

ângela marques disse...

vou pensar numa outra, para pôr aqui para a semana, para ti, Bandida:)

visitantes da babel