quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

farta


estou farta do teclado. farta dos e-mails. farta das câmaras digitais e dos mp3 e 4, dos i-pod’s e dos que não podes também. estou farta do tabaco light e da cerveja sem alcóol, farta do chá em saquetas, do café com adoçante…
é tão banal dizer isto tudo que vou ler Camilo.
escrevam-me cartas, por favor! mas não deixem de me escrever.

16 comentários:

maria josé quintela disse...

:))))))))))))))))))))))))




e saio (antes que te fartes de mim)




beijo.

Tchi disse...

mas... se estás farta de e-mails e todos os sistemas avançados de comunicação... como queres que te escrevamos cartas?

:):)

só se for pela via do correio tradicional... bem de.morada!

:)

Beijinhos.

E repousa para reanimares.

Carla Silva e Cunha disse...

gostei do que vi e li
parabens pelo trabalho
boa semana
beijinhos
Carla

ângela marques disse...

NOTA IMPORTANTE:
(a propósito do comentário da Tchi e para todos os leitores)

juro que vou repousar, mas receio que quando tentar voltar aqui esta porra de nova tecnologia, que nem é magalhães nem nada, nem sequer dê um ar da sua graça.
portanto, resta o correio tradicional, sim senhora:)

beijinhos a todo/as

alice disse...

eu nem sabia que existiam mp'4, só ouvi falar dos "3" e não reconheço um "ipod", nunca vi um... boa noite e volta depressa. beijinhos.

(obrigada pelos teus comentários n'a tradução e no piano :)

isabel mendes ferreira disse...

eu tb. e tanto tanto tanto tanto tanto tanto....





com uma pequena ressalva....:))))) quem dera que deixassem de me escrever....:))))))



beijo. A.

observatory disse...

:)))))))))))))))))

acho que sim

adoro envelopes com uma data de tralha dentro

mimos escritos

GMV disse...

Como deixar-te de escrever? [já não sei...]

Também eu volto, recorrentemente, a Camilo...

Beijo Ângela

simplesmenteeu disse...

entro, em tempo de afastamento, de saturação..
bom, não sei se retroceda e nada diga...
fico para descobrir, conhecer?!... ou talvez não...
vou pensar...
fico?
volto? quem sabe?
nem eu... que tão poucos são os lugares onde vou.

talvez porque... além de gostar do que encontro, gosto de gostar de quem o faz.
e gosto sempre, onde fico...
beijo

José Carlos Brandão disse...

"Viver sempre também cansa" (José Gomes Ferreira). No entanto, vivemos. Abaixo a tecnologia e viva a vida!
Descanse e volte, menina. Com toda a simplicidade do mundo. É possível driblar a tecnologia - usá-la e não sermos usados por ela? Viver neste mundo como se não fôssemos deste mundo (S. Paulo).
Beijos.

gabriela rocha martins disse...

queres
brincar
comigo
ao
mata
e
à
cabra cega?

alinhas
?
bora
,
então



.
um beijo ,Mulher Grande

gabriela rocha martins disse...

mas
o
que
deu
ao
pessoal
?

anda
tudo
farto
de
alguma
coisa

ou
de
tudo

consequências
da
crise
?

acho
que
também
vou
migrar
!



.
um beijo

ângela marques disse...

Gabriela


q se passou. achei q o teu 1º comentário foi tão fixe... mesmo na onda. até ia responder bora lá... mas tou sem net (este é da minha filha)
não migres. anda à cabra cega:)

beijo

MM disse...

Pois então desejo-te rápidas melhoras!!! Está de chuva no Norte? Por cá a canícula está insuportável...

Bj,
MM

PS: tabaco não uso, chá de saquetas nem pensar, troquei a cerveja por caipiroska e jamais usei adoçante. No mais, tal como tu, sou das que gostam que "me escrevam".

Bandida disse...

uma alucinação acabou de te chamar cidade. dessas cidades que encontram no vento a aventura dos poetas. acontece sempre assim quando os poetas se chamam cidade. é paralela ao corpo, a cidade. é a sensação de cegueira com o excesso de luz. é melhor ser cidade que tempo porque assim o tabaco ajuda a amanhecer com um chá em saquetas. e o tempo olha-nos de lado as feridas e os caminhos.
escrevo-te para te dizer que és uma cidade tocada pela magia do cheiro a café acabado de fazer. e as cidades têm a folhagem dos espelhos.
espero que esta carta abra o postigo para que vejas a árvore de açafrão da cidade que tu és. tu és. tu és a cidade.

Ana Paula disse...

Ler Camilo é "uma boa"! :):)

visitantes da babel